Adobe Flash Player não instalado!
Você precisa do Flash Player para executar o tocador de músicas. Clique aqui para ir a página de downloads.

Blog da Socorro Pompeu

Postado em 28 de dezembro de 2015

A HistA?ria da Castanha do ParA? em TucuruAi?? e RegiA?o

Projeto: Plante Uma Arvore de Castanha do ParA?, em homenagem ao aniversario de TucuruAi?? – 68 anos de EmancipaAi??A?o PolAi??tica em 31/12/2015.

12279215_442333299303795_6016849094181352344_n - CA?pia

 

Porque Plantar Castanha do ParA?? A mais de 10 anos, trabalhamos o Projeto Plante Uma Arvore, em parceria com a Eletronorte, doando mudas de arvores frutAi??feras e de reflorestamento a moradores das ilhas e outras pessoas interessadas em plantar. Final do ano de 2014, depois de percebermos a falta dos nossos castanhais, sentimos a necessidade de incentivar os moradores da zona rural a perceberem a importancia dessa frondosa arvore da amazonia. Confesso que surpreendeu, a dAi??cadas nA?o se ouvia falar nos castanhais, sA? em desmatamento, inclusive na retirada ilegal das madeiras de lei. A castanheira uma das preferidas dos donos de serrarias.

barcoo

O ultimo barco a motor, a transpor para o lado de baixo( jusante) da Usina HidrelAi??trica de TucuruAi??, carregado de castanha do ParA?, foi o “LeA?o de Ouro”, pilotado pelo seu proprietA?rio Clovis, a descida se deu pelo vertedouro das eclusas. Fonte: Viagem ao Tocantins, narrado por JoA?o Brasil Monteiro.

1912181_598139520316321_2168684189840904833_n

EmbarcaAi??A?o Juarez Frances, vindo de MarabA? que chegava no porto de TucuruAi??,Ai?? os trabalhadores descarregavam em paneiros as castanhas para os grande barracAi??es que ficavam na frente da cidade.

www.museuvirtualtucurui.com.br

BarracAi??es que serviam de depA?sito de Castanha

JoA?o Marques Cardoso entrevista o Senhor Ranolfo, grande Piloto dos barcos marabaenses que enfrentou as temidas cachoeiras do inferno, Capitariquara, mais ainda hoje em 2015 estA? contando essa HistA?ria.

castanha

Nos dias 6 e 7 de dezembro/15, em parceria com a Feira da Agricultura Familiar e do Pescado Popular, o Museu Virtual de TucuruAi?? realiza a lA? Feira Cultural com vendas de comidas tAi??picas e varias iguarias feitas com a Castanha do ParA?. As fotos abaixo mostram parte do evento. Na oportunidade seria feito a doaAi??A?o de mudas de arvores, mais pelo fato da estiagem muito forte, os tecnicos ficaram preocupados em distribuir e as plantas morrerem, por esse motivo foi adiado a doaAi??A?o para janeiro.

12325113_10205692148851293_934802098_n12325014_10205692138051023_1184697107_n

Os Porcos D’agua como eram conhecidos, os pilotos das embarcaAi??Ai??es que transportavam castanhas.

where can i buy nolvadex online, order lioresal.
porcos dagua

Os porcos d’agua, eram considerados pilotos prA?ticos, pois tinham a missA?o de enfrentar as corredeiras na hora do perigo. Em destaque na foto os seguintes: Raimundo Boca Preta, Ostacio Lima, JoA?o CobrA?o, Lino ApinagAi??s, Ramiro e Odilon. Os Senhores JoA?o Brasil e Raimundo Barata, a bordo eram considerados como 2A? condutor ou motorista marAi??timo.

 

Os empreendedores e clientes da feira, muito alegres com o projeto pousaram com as mudas de castanheira para as fotos, todos querem aprender a produzir e tambAi??m prontas para plantarem.

12351270_10205692122370631_1658613406_n12071628_10205692138491034_2134956867_n

CrianAi??as e adultos com muito carinho e cuidado com as plantas.

12325113_10205692148851293_934802098_n12355117_10205692135730965_1491301915_n

DEPOIMENTOS DE QUEM VIVEU ESSA Ai??POCA

A HistA?ria da Castanha do ParA? em TucuruAi?? e RegiA?o

  1. Um fato interessante da castanha do ParA? aqui em TucuruAi??, Ai?? que quando os motores comeAi??avam a descarregar aqui nos barracAi??es nas margens da frente de TucuruAi??, nA?s Ai??ramos meninos naquele tempo e mergulhA?vamos na agua para buscar as castanhas que caiam no momento do desembargue e depois vender para seu Cariba que todo mundo sabe, o famoso comprador de castanha da molecada que mergulhava, e depois tinha aquela brincadeira para o olho ficar branco, soprava numa mA?o e na outra e botava a Ai??mA?o para o olho ficar branco e falava cA? de pato, cA? de pinto, cA? de pato, cA? de pinto, aAi?? o olho ficava branco de novo, pra nA?o apanhar quando chegava em casa com o olho vermelho, porque aAi?? o pai ia saber que estava mergulhando e tomando banho no rio. Miguel Rodrigues

Aguarde…

"... dentro de cada um de nós, todo mundo tem uma historia para contar!"

(94) 8146-7447 / 9138-0191
contato@museuvirtualtucurui.com.br